Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Por Uma Guerra


Queria que pudesses ver o verde que vejo,
As águas daqui são mais cristalinas e o ar mais puro.
Os campos planos se estendem até o perder de vista e o sol brilha mais limpo do que qualquer outro lugar.

Mas é tão difícil distinguir o verde, porque ele está banhado em vermelho.
Os rios já estão cheios de sangue e o ar de pólvora. 
Os campos que já foram planos agora estão cheios de trincheiras, corpos e bandeiras caídas ao chão. E sinto saudade do sol que se pôs há mais de quatro dias, frente a tanta poeira e fumaça.

Quando eu te disse que iria voltar, desculpe, mas estava mentindo. No fundo eu sempre soube, mas nunca pude te ver chorar, e por isso é melhor que você o faça longe de mim. Talvez você não acreditou mesmo, e o sorriso que me deu no adeus foi só um exemplo da força que têm.
Minha querida, eu aprendi uma coisa na vida. Que amar é mostrar todos os dias quão importante a pessoa é, como se não houvesse amanhã. 
E mesmo tendo feito tudo isso, ainda sinto saudade de enrolar meus dedos em teus cabelos.

Se você está recebendo isso, bom, quer dizer que já não estou mais aqui. Esta foi a primeira carta que lhe escrevi aqui, mas será a última que você vai receber. Quer dizer que dei a minha vida, sem querer, por conta de algum profeta ou por dinheiro. Quer dizer que te perdi, por uma guerra que não acaba e não tem previsão para tal.

Nenhum comentário: