Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

domingo, 25 de agosto de 2013

Lobotomia


Quando a chuva veio limpar o retrovisor, foi que eu consegui enxergar
Aquele ponto no meio do espelho não era um ser qualquer, vestido de preto
Era minha própria imagem do avesso
Como se eu vivesse do outro lado do meu reflexo
E o mundo em que vivo fosse somente produto de uma operação de 20 minutos

O inferno passa aqui do lado todos os dias,
Ele remexe minhas gavetas, a procura de algo que desconheço.
Sobe em minha cama enquanto durmo, vagarosamente, e tenho medo de abrir meus olhos
Pois sei que ele estará ali, logo acima do meu rosto
Olhando-me com olhos frios, mas vermelhos como sangue, esperando o momento em que minha curiosidade vencerá meu medo de encará-lo de frente

Já é tarde, mas é cedo
Estou indo dormir no mesmo momento em que ouço outras pessoas tomando seu desjejum
Então percebo que tudo é questão de um prisma, questão de ponto de vista
Como se a própria vida fosse um emaranhado de significados, que só variam conforme os lugares em que repouso meu olhar
Mas e não é mesmo?

Eu me viro para o céu e procuro aquele que chamamos de Criador;
Por que será? São tantas perguntas que faço,
Que no final das contas tudo que me compadece são raios de uma lua que já se põe, dando lugar a algum astro rei por trás de nuvens brancas

Deito-me sobre lençóis, meu peito arde, e não sei se é de sono ou de algum sentimento de que ninguém sabe ao certo o significado, o porém e o motivo
Apago a luz do quarto, e já sei que preciso me conformar com o escuro
A lobotomia já não traz mais seu efeito.


Nenhum comentário: