Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

domingo, 2 de junho de 2013

Prismas

E então os sinos da catedral badalaram mais uma vez.
Já era a décima segunda badalada, a única coisa que sua mente conseguia o informar.
Ele havia perdido a consciência?
A culpa, afinal, estava no mundo ao seu redor. 
Ao abrir o jornal, dava-se de cara com notícias de protestos pelo mundo, ou a falta deles em um país superfaturado. Ao virar as páginas, tornados e terremotos, um papa que apela por "humanidade", um presidente que afaga o povo enquanto os apunhala pelas costas. Ao jogar o jornal fora, no meio da rua, esquecia-se ele que também contribuía para um mundo de ares e corações carregados de sujeira.

Seu coração.

Este também tinha seus problemas, pois esta não é só uma crítica à mente das pessoas, mas também à suas índoles. Ele havia esquecido que, do mesmo jeito que com o jornal, ao virar as páginas do seu coração, ele também via discórdias, depressões, angústias, ansiedades. 

As vezes refletimos sobre a felicidade, sentamos em uma cadeira em um quarto escuro e limitamo-nos a dizer: "Não sou responsável pela minha felicidade!". 
Não se trata de um pensamento egoísta? Será que não seríamos mais felizes, se desistíssemos de Algo ou Alguém ao primeiro não, à primeira porta fechada? Não seríamos mais felizes, se buscássemos o mais simples, ante o mais complexo? 
Nós dizemos que não nos importamos, mas atravessamos montanhas em busca de água limpa.
São nossos desejos materiais que nos levam à infelicidade. São os amores impossíveis e até mesmo platônicos, que nos trazem ansiedade. É a busca incessante por dinheiro, por bens, que levam a discórdia nascente dos nossos corações aos outros. 

Você, que não passa fome, que dorme em sua cama, com quantos cobertores quiser. Você que chega do trabalho e da faculdade e dá um abraço forte alguém que o ama, vá até um lugar tranquilo, respire fundo, esqueça os problemas (comuns e normais) e perceba: Você é feliz.


Nenhum comentário: