Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

domingo, 30 de junho de 2013

Aprendiz


Desculpe-me se estou errado. Eu sou só um aprendiz, um aprendiz da vida.
Eu me sinto imortal, mas então lembro-me do meu medo de altura.
Lembro também dos problemas, lembro como costumávamos andar de mãos dadas, como jovens que éramos.
Como as coisas mudaram..
Não, não mudaram. Só se tornaram difíceis, seja de entender ou de aguentar.
Eu sei que, se ela tivesse mais coragem, projetaria asas pra si mesma. E nem mesmo Dédalo faria um trabalho melhor.

Você seria meu ombro? Foi o que ela me perguntou, pouco antes de cair no sono.
Eu não a respondi. 
É certo mentir, para não magoar?

Então eu volto ao meu quarto. Eu estava só imaginando, sonhando, com aquelas histórias que nos contam quando somos crianças. A infância nos traz uma serenidade e uma paciência incrível, por mais que não a entendamos em um primeiro momento. 
O cheiro dos marshmallows era delicioso e o crepitar do fogo fazia-nos esquecer do frio.
Frio que sinto hoje, sentado no meu carro. O motor ainda funcionando com força, até que eu desliguei-o. Eu só consigo abaixar a cabeça lentamente até que ela encoste no volante. É a nossa música, tocando na rádio, são as nossas lembranças passando.

Me conte uma história nova, que ainda não aconteceu.

sábado, 22 de junho de 2013

Ideologias


Concordo quando dizem sobre uma Consciência coletiva.
União é sempre o melhor caminho.
Mas o que podemos esperar de um povo idealizado?

É verdade que trocamos uma ideologia por outra?

É tempo de refletir, é tempo de coragem, é tempo de motivações.
Pode ser aqui o preludio para algumas mudanças em nosso 
país.
Porque toda essa terra é nossa!

segunda-feira, 17 de junho de 2013

No tempo certo

O fim de uma relação muda a gente como toda estação muda o ambiente.
Algumas relações nos afastam dos outros;
Algumas relações afastam a gente de nós mesmos.

Somos um livro aberto, de páginas brancas?
A teoria da tábua rasa tem lá suas controvérsias, e eu já não sei se somos ou não seres destinados a algo. Contradições por todos os lados, qual é mesmo o meu destino? Quem é nosso amor de verdade?

Aprendi que alguns beijos fazem falta, e outros nem tanto. Não somos puro aprendizado, não somos puro prazer, mas é na ausência destas pessoas que aprendemos algo.
As coisas que não conseguimos mudar sempre perturbam demais. Tem sempre alguém que queremos dominar, alguém cujo gostamos de mostrar superioridade, alguém de quem precisamos para sermos mais fortes.
Precisamos estar acima de alguém, nem que seja em nós mesmos.
Uma relação de posse pode não ser sadia, pode não permanecer nas boas lembranças. 
Quem gosta muito de dominar os outros pode estar deixando a mercê os próprios medos, as próprias fraquezas, e então vê aqui a única forma de escondê-los.

Tudo tem seu fim, assim como todo o final sempre abre brechas para um novo começo. Redundante e óbvio para você? Para mim não. Certas coisas a gente nunca quer que acabe e então ficamos neste ciclo, e ao final dele sempre se espera pelo próximo, um novo começo, e de novo, e de novo.

As coisas acontecem mesmo no tempo certo? Que tempo é esse? O que queremos dos outros, afinal?
Pergunte. Questione. Duvide. O amor é sempre um ideal...

A vida vai passando como um vídeo de imagens borradas, exibida ao público de uma praça lotada. Amores chegam e vão, mas não temos o controle de parar ou voltar a filmagem. Ao darmos conta das cenas que perdemos mudamos nossas ações assim como as estações mudam o clima; Todo ano tem o mesmo inverno, mas nenhum deles é igual aos outros, pois o que eu fui ontem interferirá no que sou hoje e isto já muda tudo! Vamos adquirindo (novas) formas e ressignificando outras. Não adianta dizer que não se vê grandes transformações, ou que ainda somos a mesma criança de sempre... Eu não sei no que continua igual, mas só de mudar nossos pensamentos, nossas perspectivas, já mudamos quem somos.
Já tomamos outro destino, que começou aqui, no futuro, no pensamento.

As paixões também mudam a gente. Não no tempo certo, mas mudam quando aparecem.




sábado, 15 de junho de 2013

Algo que (não) faz diferença

Estamos sempre inacabados, e por isto nunca somos pessoas totalmente resolvidas.
Não é apenas uma postura defensiva minha, Ser humano pode ser ter a predisposição de sempre se reconstituir, abaixar a crista de vidro desse tal ego, e admitir que uma vez, e tantas outras, erramos.
Olhe para os lados, não se deixe enganar por cascas vazias, este mundo de ideias só dura até darmos conta dele. Ninguém é o centro das atenções para sempre, ninguém é bom o bastante para todos.

O problema é que nossa arrogância não nos deixa ver muitas coisas... E o pouco que enxergamos podem ser apenas desejos, ilusões sombrias e brincalhonas, nos deixando pensar que somos grandes, nos tornando frios.

Preste atenção, ouvir o outro nem sempre é estar com os ouvidos abertos. Quem sabe é, mesmo que difícil, compreender que ali existe um ponto de vista diferente, outro alguém nem pior nem melhor do que eu. Às vezes queremos ser melhores do que já somos e com isto atropelamos os que estão na nossa frente. O que faz a diferença em mim? O que eu sou por dentro? Toda a manipulação deixa visíveis nossas fraquezas e fracassos.

Nossa cabeça é inquieta, uma revolução de poucas proporções, mas de grandes resultados para nós... Afinal, tudo que faz barulho incomoda os outros, a música alta sempre faz bem para quem curte. Como você lida com isto? Somos apenas garotos brincando de sermos deuses...

Entramos em colapso quando deparamos que ao longo de tanto tempo não enxergávamos nada além de nossa própria imagem, retorcida, num espelho. Quem eu quero ser? O que esperar de mim?
Existem pessoas que conhecemos que não dávamos nada por elas, e hoje valem uma vida toda.  Assim como existem pessoas que dávamos muito, mas que hoje pouco faz sentido para nós, porque tudo na vida muda, 
tudo se ressignifica.



terça-feira, 11 de junho de 2013

Para leigos


Somos da mesma espécie, 
mesmo sendo tão diferentes.

Objetivos não fazem sentido se não existe união.

Somos tantas coisas, e tantas coisas às vezes não são nada.
Pense, não somos quem pensamos ser, mas podemos ser aquilo que quisermos.
Estamos todos juntos na imensidão do desconhecido, 
e é nesta complexidade que somos,
que nós encontramos.

Onde está minha liberdade senão agora? 

Somos tudo isto, e muito mais.
Todos nós fazemos parte de um todo.

Somos da mesma espécie;
Somos Um.

domingo, 9 de junho de 2013

Com Você


Você já sentiu como se suas mãos não conseguissem alcançar nada,
Tanto quanto agora?
Alguma vez você já percebeu quão solitária pode ser?
Como se o chão fosse ruir a qualquer momento,
O céu, desabar.
A água do chuveiro poderia parar no meio do caminho e quebrar toda tua concentração,
Deixando assim somente tuas lágrimas caindo.

Deixe-me segurar tuas mãos antes de você cair,
Só pra você me olhar com sua cara espantada,
Como se jurasse que ninguém mais iria estar ali.
Deixe-me te fazer companhia, 
Vamos beber lado a lado, falar, rir.
E mesmo que o chão ruísse, o céu desabasse e você perdesse a confiança no mundo,
Eu estaria ali. Com você.

Calipso, eu vim até aqui e daqui não saio mais.

domingo, 2 de junho de 2013

Prismas

E então os sinos da catedral badalaram mais uma vez.
Já era a décima segunda badalada, a única coisa que sua mente conseguia o informar.
Ele havia perdido a consciência?
A culpa, afinal, estava no mundo ao seu redor. 
Ao abrir o jornal, dava-se de cara com notícias de protestos pelo mundo, ou a falta deles em um país superfaturado. Ao virar as páginas, tornados e terremotos, um papa que apela por "humanidade", um presidente que afaga o povo enquanto os apunhala pelas costas. Ao jogar o jornal fora, no meio da rua, esquecia-se ele que também contribuía para um mundo de ares e corações carregados de sujeira.

Seu coração.

Este também tinha seus problemas, pois esta não é só uma crítica à mente das pessoas, mas também à suas índoles. Ele havia esquecido que, do mesmo jeito que com o jornal, ao virar as páginas do seu coração, ele também via discórdias, depressões, angústias, ansiedades. 

As vezes refletimos sobre a felicidade, sentamos em uma cadeira em um quarto escuro e limitamo-nos a dizer: "Não sou responsável pela minha felicidade!". 
Não se trata de um pensamento egoísta? Será que não seríamos mais felizes, se desistíssemos de Algo ou Alguém ao primeiro não, à primeira porta fechada? Não seríamos mais felizes, se buscássemos o mais simples, ante o mais complexo? 
Nós dizemos que não nos importamos, mas atravessamos montanhas em busca de água limpa.
São nossos desejos materiais que nos levam à infelicidade. São os amores impossíveis e até mesmo platônicos, que nos trazem ansiedade. É a busca incessante por dinheiro, por bens, que levam a discórdia nascente dos nossos corações aos outros. 

Você, que não passa fome, que dorme em sua cama, com quantos cobertores quiser. Você que chega do trabalho e da faculdade e dá um abraço forte alguém que o ama, vá até um lugar tranquilo, respire fundo, esqueça os problemas (comuns e normais) e perceba: Você é feliz.


sábado, 1 de junho de 2013

Faça sua gestão? Seja feliz?

Não somos responsáveis pela nossa própria felicidade. É uma ilusão achar que temos o domínio de tudo em nossa vida. Certas coisas não escolhermos; Existem mais variáveis do que coisas fixas. Não existe humano fora de uma sociedade, portanto quem somos dependem sempre de um Outro.
Estou preso numa ditadura, uma gestão de mim mesmo, cujo único objetivo é ser bom, melhor do que ontem, melhor como nunca fui.

Ei, você escolheu nascer onde nasceu?

Não suportamos o ócio, e essa inquietação em nosso coração nos deixa cada vez mais fracos. Só existe trabalho, e é esta a atividade que me define como humano. Racional, impropriamente definido.
Estou preso. Sufocado. Amarrado por uma ideologia capitalista que me limita em possibilidades de ser feliz. Sim, ser feliz! A mesma Coisa que procuro incansavelmente, sem questionar.
Não sou bom o bastante para mim mesmo, e meu fracasso é prova de minha incapacidade, minha culpa. Cadê a dedicação? Sempre podemos mais!
Eu não consigo fazer mais nada. Eu não sou mais nada... Quanta ironia. Sinto-me como pó, fragmento de minerais que depois da morte não será mais nada.

O que eu queria fazer agora? Tantas vezes me deparei com essa pergunta sem obter uma resposta que conseguisse acalmar meu coração. Onde eu queria estar agora? O tempo passa depressa, mas meu tempo não é o mesmo que o seu, mas ele passa para todos.
Deparo com gente que brilha como uma vela. Mas espere... Toda vela vista de perto é muita luz. Mas, quando afastamos... Às vezes não dá conta de iluminar um único cômodo escuro. Olho para mim mesmo e vejo você. Somos arrogantes em nossa inteligência, e o que sempre careceu é sabedoria de lidar consigo mesmo.

Quero paz, um descanso para não pensar em mais nada. Mas quando lembro que tal paz é uma grande utopia me desespero ainda mais. Não sabemos lidar com nossas próprias angustias e discórdias, porque somos bons demais para sofrer.
Faça sua gestão, seja feliz.

Isso não parece certo, mas eu também não sei no que seria errado.