Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

terça-feira, 28 de maio de 2013

Meu Tempo



Como você está?
Já faz tanto tempo...
Que nos encontramos
Naquela noite fria..

E a chuva, que insistia em cair,
E o vapor d'água da tua boca,
Que mostrava toda a frieza que um dia eu viria a sentir.

Onde você está,
Que não junto a mim?
Por que não estamos
Como planejamos?

E hoje, é um novo dia,
Eu conheci outra amada,
Mas os lábios dela não são tão doces quanto os seus..

Mas agora, tudo bem,
Outros braços me afagarão
E quando eu olhar no abismo e te ver, te darei acenos e as costas,
Porque o meu coração já não é mais seu.

Nem minha mente,
Nem minha boca,
Nem minhas cartas,
Nem minhas rosas,
Nem meu tempo...
Meu tempo..

_____________
Meu Tempo - Projeto Apollo

domingo, 26 de maio de 2013

Cuidado

Viver indeciso é a pior coisa que existe.
Uma falha de nossa própria capacidade de escolher, se é que escolhemos algo.

Precisamos de um desejo para montar nossa vida,
por cima dele.
Não precisamos de mais nada,
apenas um incentivo, algo para seguir em frente.
Uma perspectiva para o futuro, um projeto de vida.

"Não importa o que fazemos se encontramos sentido nisto já estamos salvos! Preciso de um norteio, um sentido para a vida, uma motivação; seja ela qual for."

A angustia não é a minha inimiga, e tolo é quem acha que ser feliz o tempo todo é a resposta. Somos um saco vazio, cujo não existe suprimentos permanentes.
Certas coisas fazem parte de nós, coisas que doem, coisas que nos deixam vulneráveis. Lembro-me da fábula de Higino, do cuidado e angustias que sempre caminharão ao nosso lado. Como parte de existir, como parte de ser-aí.
Mesmo sozinho não estamos desamparados: pense, no mínimo temos dois? Ou isso seria mais uma ilusão e uma fraqueza.

Estou conectado com minha história; Presente, passado e futuro é um único tempo. O meu tempo, a minha vida.
Por isto que digo que Eu não fui, mas eu sou! O que somos no passado interfere no que somos no presente; E o futuro sempre vem primeiro.

É a morte que produz sentido para nossa vida, mas mesmo assim
preciso cuidar de mim.
Preciso me curar, mesmo sabendo do fim.


domingo, 19 de maio de 2013

O Futuro do Ontem


Era como se aquelas memórias ainda existissem, lá dentro, guardadas.
Nunca na vida ele tinha precisado delas, e naquele momento, tampouco. Mas elas estavam vindo à tona, conversas, risadas, até mesmo lágrimas.
Estavam todas ali, esperando o momento certo pra aparecer.
Não sabia se isso acontecia com as outras pessoas, mas em sua cabeça, algumas coisas nunca deveriam acabar. A infância, a adolescência, por exemplo. Mas ele sabia que deveria sempre seguir em frente, por mais que muitas vezes virasse pra trás, só pra deixar seus olhos ficarem úmidos por alguns momentos.
Ele já gostara de escrever em seu caderno palavras otimistas. "As coisas mudam", era sua frase preferida. Mas agora era como se o verão tivesse pego todas as outras estações e as tivesse levado embora, deixando no retrovisor um mundo sem nexo, sem sentido.
Nós vivemos em redundância, sim, nós choramos de felicidade.
Nossa vida é dividida em fases. As que foram e as que virão. 
O nosso problema é saber lidar com a transição de cada uma.

Por que é que as atitudes são mais fáceis de escrever, do que de acontecer?

O aquário

É como nascer de novo.
Só que desta vez ao contrario.

Somos obrigados a resignificar a vida, que outrora tínhamos.
Assim, da maneira mais maldosa que pode ser e muitas vezes sem escolher.
Lidar com a finitude pode ser uma angustia provocadora. Somos complexos demais para admitir, assim simplesmente, e tão de repente, que um dia tudo se vai.
Então fico me perguntando, até onde vai nossa capacidade de escolher? Somos livres do quê, afinal?

A morte não é o fim da vida,
mas a vida termina quando perdemos a consciência dela. E aqui estou preso num aquário de águas limpas. Adornos em todos os cantos, mas que não fazem a menor importância para mim. As pessoas me olham espantadas. Eu retribuo o olhar com o mesmo espanto. Espanto por estar aqui sem saber o que fazer, espanto por não conseguir dizer mais nada, espanto pela vida. E pela morte.

Vida é sentido; Sentido esse que atribuímos constantemente.
Sinto-me como se estivesse num zoológico, cujo animal da atração é eu mesmo.
As coisas foram sempre assim?

Muitos se perguntam onde deveríamos estar se não fosse aqui, mas a resposta se perde no ar. Somos incompetentes demais para responder.
Consigno meu próprio esquecimento, e a repetição de meus atos só mostram o quão às coisas estão no automático. Faz tempo que não sei o que é ser humano; Ou é ser humano sendo assim também?
Toda a minha vida se definha num piscar de olhos. Quem eu fui? Quem eu sou? Quem eu posso ser?

Um peixe...

Para você que me pergunta o porquê não choro mais, saiba de uma coisa: existe mais de uma forma de mostrar nossos sentimentos além do derramamento de lágrimas, assim como existe muitas outras maneiras de existir. Eu ainda estou preso neste belo aquário. Mas ainda tenho duvidas se eu existo ou não.



sábado, 11 de maio de 2013

Viajando entre as estrelas...

É noite, novamente aqui, o que mudou de la pra cá? viajando sem sair do lugar, hoje eu não te vi, na verdade faz dias que não vejo, e me pergunto porque não se liberta dessas amarras e vem voar comigo, posso dizer que cresci muito, e aprendi a esperar sem esperar nada, mas não posso deixar de sonhar que sua figura apareça no horizonte sorrindo, e sentir que finalmente estamos em sintonia, embarcar em minha nave rumo as estrelas, viajar sem rumo, sem amarras, rumo a felicidade, eu não entendo porque você não se permite, não me diga que não posso voar quando eu realmente sei que posso chegar la, e se não puder? não importa eu tentarei ate o fim, sem medo do que vier, pois essas são minhas escolhas, as suas só pertencem a você, em meus sonhos você esta presente, aquiete seu coração, não tenha pressa, o dia vira e você terá que vive-lo, mas muitas noites também virão e você poderá viajar rumo as estrelas, eu só queria que me amasse como te amo, la do alto eu vou cuidar, mesmo que a distancia, e vou festejar cada conquista sua, mesmo que te leve cada vez mais longe, mas nossa nave sempre estará pronta, pronta para viajar para o desconhecido, para quebrar as correntes, para adicionar mais um sonho aquela lista já tão grande, aquela que um a um vou realizar, não importe o tempo que demore, dance comigo nossa musica, no embalo dos nossos sonhos, se permita sentir nem que seja apenas um momento o que esta dentro de você, pra que esconder? Se liberte, a felicidade esta logo ali, você só precisa alcança-la, vai desistir agora?




sexta-feira, 10 de maio de 2013

goodbye


       
        Eu não sei como devo começar essa carta. Quero dizer, não sei se devo falar "amor" ou "oi" ou qualquer coisa do tipo. Afinal, querendo ou não, essa será a última carta que escreverei a você. E nunca há uma melhor maneira de se começar uma carta de despedida.
Por todo esse tempo, nunca passou pela minha cabeça que eu lhe diria adeus. Mas a vida acontece e a gente acaba descobrindo que nem sempre as coisas são como a gente quer, e acredite, ir embora é a última coisa que quero. Só que eu tenho que ir. Eu te amo tanto e nesse exato momento meus olhos se enchem de água e eu não tenho certeza se conseguirei contê-las até acabar de lhe escrever.
Tinha tantas coisas a dizer mas minha mente me trai, gritando que eu pare o que estou fazendo e te ligue, mas eu não posso. Não posso correr o risco de ouvir, de me deixar levar pelo som da sua voz. É como um feitiço, e eu nunca entenderei o efeito que exerce sobre mim. Eu te amo de novo. Acho que nunca vou me cansar de dizer isso. E dói em mim saber que não vou mais dizer isso e assistir seus olhos castanhos que eu amo tanto brilharem e você sorrir esse sorriso que eu amo tanto.
Lembra de todos os planos que a gente tinha pro futuro? Você foi o único que conseguiu me fazer apreciar a ideia de casar e ter filhos e toda aquela rotina de uma vida normal. Mas essa não sou eu. Não fui feita pra ter uma rotina, eu sou errada demais pra isso. E você... Você é tudo que alguém pode querer. Você merece alguém que seja mais como você. E é por isso que eu tenho que ir. Me desculpe. Eu sei que vai doer e não quero te fazer sofrer mas eu prometo que vai passar. Vai passar e você vai esquecer de mim e vai encontrar quem realmente merece. Mas sempre saiba, ah, sempre saiba que eu te amo.
Adeus.

Trem dos Sonhos


Será que, se os trilhos não fossem o limite, algum trem iria até onde nenhum homem jamais foi?


Eu disse à minha mãe: "Chegou a hora de ser independente."
Juntei duas mudas de roupas, guardei o bolo que ela fez na mochila e saí.
Porque quando alguém sai debaixo das asas dos pais, está na selva. Tem que virar mercenário, tem que virar esperto, camaleão. Adaptar-se.
Vamos, todos, pegar o trem na estação. Não que seja um trem comum, muito ao contrário, e não pense besteiras. É o trem dos sonhos. O que não apita, não produz fumaça e não conseguimos ao menos ouvir o atrito das rodas com os trilhos.
Vai ser melhor. Sair de circulação, não me limitar a meros caminhos feitos por outras pessoas. Vamos seguir o vento, como um barco à vela que vaga em alto mar. Nesse trem vamos poder ser nossos próprios engenheiros, arquitetos de nossa vida, e até mesmo, como se pra adoçar um pouco nossos dias, vamos poder ter alguns pesadelos, que serão de mínima importância, visto que, ao acordar, teremos mil e uma coisas boas por fazer.
Comecei a andar melhor quando percebi que a chuva não cai só pra mim. Quando entendi que, cada vez que eu colocava meus próprios problemas no bolso e saia ajudar um amigo, não era por pura amizade. Era, e sempre foi, medo e incapacidade de resolver os meus próprios. Somos tão bons em aconselhar, e tão ruins em resolver nossos entraves.
Eu continuo no trem, e hoje não sei patavina de onde estou. Até ontem, estava salvando o mundo, ao lado do Batman, com meus poderes únicos. Qual será a de hoje? 
No trem da vida, os trilhos não existem, e o maquinista é você. 

Qual é a distância do teu coração?

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Espero que chova hoje

Nossos sonhos são tão grandes que não cabem num livro.

Ao redor tenho uma multidão,
legiões de pessoas petrificadas pelos nossos corações inóspitos.

O que espero dos outros? O que espero de mim mesmo?
As perguntas voltam para nós como um sinal de que algo merece ser analisado.
O que a gente quer dizer acaba ficando engasgado no meio da garganta, 
sem poder sair.
Somos fracos, e pagamos pelas nossas hesitações ou poucas tentativas.

O tempo passa, os sonhos murcham, 
e eu fico aqui, sem aquela risada calorosa,
sem aquele arrepio gostoso.
Sozinho como um poeta que usa de seus próprios versos para mitigar sua dor. 

Tudo não passa de expectativas, ilusões infantis.

As pessoas não se importam mais por que nós deixamos de nos importar com elas?

Eu bem que queria que estivesse chovendo,
mas a verdade é que não vai chover.
Faz tempo que não cai água de cima para lavar as feridas.
Não chove,
apenas é o céu que continua nublado.



segunda-feira, 6 de maio de 2013

Os meus olhos não veem

O que era sempre combinado, planejado e esperado, agora é algo que não combina, não se planeja e nem se espera. Então guardo no peito o que faz mal por apenas querer que assim seja, visualizando por conta da mente o que se passa a milhas de distância mesmo não sabendo ao certo ou não querendo saber de certa forma, as coisas se encaminham nesse desencontro. Mais uma vez partilhamos da mesma garoa da madrugada mas o que era rotineiro agora já havia se quebrado com o silêncio de todas as coisas que deveriam ser ditas. Quando não se espera as palavras mais indesejáveis acabaram sendo proferidas e o que era riso se transforma em um pranto descontrolável, desses que não se suporta sozinho, mesmo precisando estar. Vejo o quão parcas foram as horas vistas da janela de um ônibus, tão triste imaginar que a história se repete e que banaliza tudo o que foi intenso e mesmo sabendo que o esquecimento é necessário, que a opção é dolorida, a cabeça e o coração possuem certa inimizade, quando deveria dar um passo à frente, ir adiante, prestar atenção no caminho parece ser impossível, intocável, inatingível, falta tato, falta afeto onde só existe ausência. Nós respiramos no mesmo ambiente mas não chocamos aquela energia que agora parece tão amena, não nos transformamos em um só, não dividimos os dias, não deitamos no gramado, não dormimos numa tarde num quarto de hotel, não nos perdemos no centro da cidade desconhecida, não ficaremos mais juntos nessa mocidade, agora parece que foi tão pouco, mínimo, finito... mas os meus olhos não veem.