Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

terça-feira, 23 de abril de 2013

Brisa leve, sonho bom

Ao caminhar pela rua num dia normal, quem pode imaginar quando o destino lhe pregará uma peça, la no fundo em seu mundo secreto você sonha e espera por algo, algo grandioso, que mude o rumo de tudo. 
Brisa leve, fim de tarde, passos lentos em direção a mais um dia que se vai, coisas passam por sua cabeça, muitas vezes se sente perdido(a), buscando forças para continuar, quando em um descuido talvez, a brisa muda e presencia um encontro não só de dois corpos mais de duas almas que se atraem, aqueles segundos parecem eternos e pulsão em sua mente como notas de uma melodia perfeita, e seu corpo todo parece dançar parado em êxtase, o que seria da vida sem o toque do acaso? Aquele sorriso único em sua existência é uma prova viva do que aquilo é real, sonho bom, realidade, te enche a alma em um segundo, te encanta, te balança, te impulsiona a continuar, você se entrega sem pensar duas vezes, se perdendo, se encontrando, porque a vida é assim, variável, incontrolável, inconstante. Deixe-se viver.


Primeiro post espero que curtam ;)

4 comentários:

Felipe Bazzanella disse...

Oficialmente bem vinda!
Belo texto, são sentimentos que realmente passam pela minha cabeça, como se ela estivesse aberta e você pudesse tê-la lido.
Um abraço,
até mais.

Carlos Filho disse...

Aprendi a perceber que o fim da vida não é a morte, mas sim a ausência existencial.
A perda dos significados, da vontade, desta inconstância: isto é morte.
Texto impactante, e belíssimo. Parabéns e seja bem vinda.

Pandii Chan disse...

Ownn *-* Obrigada meninos!

Pandii Chan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.