Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Ilusões

Tenho dificuldade de sorrir quando lembro que na vida não fazemos tantas escolhas assim.
Cria aquela angustia no peito que não sabemos explicar, afinal somos livres ou não? Não aguento mais essa guerra ideológica, de opiniões contrarias, e eu aqui no meio sem saber o que fazer.
Muitas vezes o que a gente quer é apenas viver sem interrupções.

Lembro-me de tantas pessoas agora. Sedentas de algo, como se faltasse alguma coisa para solucionar o mistério da vida. Queremos satisfazer algo, preencher um vazio, mas toda satisfação é sempre parcial; e até no amor só escolhemos aquilo que nos resta.
Estou mergulhando em teorias nais quais não domino, mas uma coisa é certa: Meu analista jamais me compreenderá, pois ele nunca será eu.

Acabo que nas dificuldades da vida fantasio mais do que realizo, e se tem uma coisa que aprendi é que quem fantasia demais é sempre infeliz.

Ora bolas, mas o que é esta tal de felicidade?
Lembro-me de uma época da vida que corria com os braços abertos, desejando ser o herói de minha própria história. As pernas nuas, sujas de terra, pisavam num mundo bem maior do que meu corpo quente e fraco.
Passeava pelo país de Alice, comia do pêssego mágico, levantava armas, me encantava num mundo paralelo jamais visto por nenhum outro aventureiro. Não havia preocupações que não fosse acolher o coração daquele amigo triste, porque quando nossa alma é sem maldade, nossos corações sempre se conectam.
Tem coisas que perdem o sentido para só assim darem espaço a novos. A vida muda constantemente sem pedir licença para enfim entendemos nossa existência.

São muitas as coisas que queremos. Se o desejo é sempre aquilo que me falta, e nós desejamos ser felizes; então a felicidade é uma ilusão.

3 comentários:

Fernando Silva disse...

Legal a escolha da imagem em contexto com o texto. Entretanto, duvidar da própria liberdade é um pouco contraditório para alguém existencialista, não?

Nathan Rodrigues Ramos disse...

Ou não...

Carlos Filho disse...

haha obrigado pelas visitas.
Como eu disse, estava mergulhado em teorias nas quais não domino, mas eu tinha que materializar o pensamento senão não ia ficar em paz. Fiquei mais tempo selecionando uma imagem do que construindo as palavras. :)

Meu caro Nathan, eu ainda digo o mesmo que você. Simplesmente ainda duvido de tais afirmações, estas mesmo que escrevo hehe