Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Entendimento

Não era ela quem merecia um texto hoje, [...]
Ele estava cansado da vida, cansado de se equilibrar em cima do meio fio para não cair.
Ele parou de andar, a rua estava vazia. Era Julho, era inverno, vapor de água saía de sua boca enquanto ele respirava. Ao seu lado esquerdo, um Chevrolet Impala, estacionado de frente para a porta principal de um prédio tão alto quanto seus olhos podiam ver.
Ele tirou as mãos dos bolsos, jogou as luvas na calçada e resolveu subir até o topo.
Ele se agarrou aos vidros, e como se houvessem ventosas em suas mãos, conseguia subir verticalmente com a calma de uma aranha.
Já no terceiro andar ele se deparou com uma janela aberta. De costas para fora, um senhor de idade assistia à televisão, ao canal 7. Eram imagens de um filme de guerra em preto e branco, homens matando homens, homens matando pais de família, jovens cheios de paixões e sonhos. 
Ele só balançou a cabeça e continuou subindo.
Mais acima, outra janela aberta. 
Um jovem, com os cabelos pintados de roxo e um cigarro na boca assistia ao canal 23, adultos transando sem qualquer pudor, e era como se aquelas imagens enchessem a mente do jovem de prazer.
Acima disso, mais uma janela aberta, só que desta vez não era a televisão ligada, e sim um casal que gritava contra o outro, que agredia o outro, indo contra também, a qualquer troca de alianças e de promessas em frente a imagem de um Salvador.
Ele estava cansado realmente de tudo isso. 
E conforme ele subia mais rápido, as janelas iam abrindo-se, os canais da TV mudavam do 1 ao 100, o que não mudava era todo o prolixo e paixões que eles mostravam.
Então ele chegou ao topo.
Se pôs em pé, subiu no parapeito e olhou pra baixo. Como debaixo, lá do alto a rua parecia somente uma letra I nas últimas linhas de uma exame de visão.
Ele fechou os olhos, inspirou e ouviu um barulho.
Ela estava ali, ao seu lado, os cabelos voando ao vento. Ela sorriu pra ele, que viu que ela também estava em cima do parapeito. Eles se deram as mãos e caíram, juntos. E mesmo que aquele Chevrolet Impala parecesse cada vez maior e mais ameaçador, eles não tiravam os olhos um do outro.

[...] mas sim a dona dos mais lindos cabelos cor-de-chocolate.

Nenhum comentário: