Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Sentimentalismo


Tudo começou com um olhar, porque tudo tem que começar de algum lugar.
E os inícios e fins são tão parecidos..


Pra falar a verdade, são tantas as coincidências e igualdades na nossa vida que as vezes penso que tudo não passa de uma casa de espelhos, um labirinto gigantesco, fazendo-me passar pelos mesmos lugares várias vezes.
Mas talvez nem seja culpa da vida, mas sim das pessoas que estão nela. Ninguém é igual a ninguém, mas as pessoas mentem da mesma forma, as pessoas magoam da mesma forma. E então elas choram da mesma forma que muitas outras espalhadas por aí.
Mas existem muitas pessoas que, por mais que os caminhos sigam rumos diferentes, elas tornam a se encontrar, nem que seja para breves conversas. Então você percebe que foi você mesmo quem abriu outro caminho pra si mesmo e separou-se delas. E mesmo que você volte atrás, volte para onde o caminho bifurcou-se, a pessoa não estará mais lá.
Pode arrepender-se um milhão de vezes, o tempo não volta atrás como muitos sonharam, este faz parte dos sonhos que não podem realizar-se, como aquele outro sonho de um amor, mas que não tornou-se real.
Aliás, tornou-se, mas como numa colisão de partículas, só por alguns instantes.
Como já disse um pai ao seu filho:


Filho, valorize o sentimento acima de qualquer coisa. Mas não esqueça que, com isso, você vai estar correndo o risco de ser magoado, de chorar, de sentir-se inútil. Sabendo disso, nunca mergulhe de olhos fechados, quer dizer, nunca entre em um relacionamento com o coração totalmente aberto. Você pode se machucar sem razões, e fazer com que ele feche-se, endureça. Por mais que nestes momentos a nossa ideia seja de sermos sinceros quanto a tudo, trate de esperar que o vento sopre um pouco do outro lado, para saber se é possível mesmo levantar vôo. Lembre-se: Sem sustentação, um avião cai.
Porque um olhar diz tudo, diz o início, e o fim.


Nenhum comentário: