Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Acordes: Cap. 7 ( F#m )

Primeiros capítulos em Histórias.
____________________________________

" Aliás, muito prazer, eu me chamo Yeda "...

Nossa, eu nem sei como que beijei aquele garoto. No fundo eu sentia que havia algo que nos conectava, desde a noite anterior, quando o vi. Talvez eu tivesse sido muito atirada, mas não me importo com isso mais.
O restante daquele dia foi muito caloroso. A princípio continuamos tocando algumas músicas. Alguns acordes saiam errados, pois nossos olhos insistiam em se encontrar. O Edu me chamou para tocar na banda dele, mas me alertou:
- Tem um amigo meu que terminou o namoro há alguns dias, então ele está meio que "atirando para todos os lados". Espero que não se importe caso aconteça algo.
Houve uma pausa breve.
- A não ser que você queira ser minha namorada.
- Hum. - Pensei. Rápido de mais.
- E se você for um psicopata?
Ele soltou uma gargalhada.
- Se eu fosse um psicopata teria te levado comigo ontem a noite mesmo.
Espertinho.
- Então está certo, sr. Eduardo. Farei parte de sua banda.

O dia terminou. E com ele as minhas energias. Cheguei em casa sorridente, meu pai no sofá assistindo televisão.
- Qual o nome dele? - Ele pediu.
Fiquei pasma. Meu pai sempre me surpreendia.
Me aproximei do meu pai, ainda questionando como que ele fazia isso, como que ele me conhecia tão bem.
- O nome dele é Eduardo pai. Mas eu não estou namorando, a gente só conversou hoje, tocam...
- Tudo bem, amor. - Ele me interrompeu. - Eu só quero te avisar... Bom, eu te conheço né.
Eu já percebi.
- Sei que você tem uma personalidade forte. Sei que você vai fazer sempre o melhor.
- Obrigada pela confiança, pai.

Que saudades.

Um comentário:

Afonso Henrique disse...

Acordes, e uma das historias mais maneiras que já li, não só pelo fato de todas a as peças se encaixarem no final de uma maneira tão interessante, mas também porque no final, ao meu ver de certa forma não é Yeda e Eduardo que são o principal da historia, mas sim ela e o pai. É muito interessante mesmo. ótimo conto.