Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Curem nossas doenças...


[...]Perceba a dor em que vivemos
Séculos de sonhos intermináveis 
Não há mais necessidade de ficar sozinho [...]


Até quando a humanidade irá conseguir se manter perante aos mesmos erros? Começo a dúvidar se é mesmo correto o hábito de ignorar sempre o ponto de vista dos outros. Levantar a bandeira do narcisismo para dizer que minha maneira de pensar é a melhor pode ser algo cruel. Cuidado, o último que levou isto a sério demais nos trouxe uma Guerra Mundial.  

Preferimos estar só, pois sozinhos nosso mundo é o mais correto. 

Quando foi que deixamos de ser Humanos para nós tornar Homens?
Você ainda está conectado ao restante do planeta Terra? Então, qual é o seu destino aqui?



Trecho musical e imagem reservados a banda Holandesa Epica

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O choro é a falta de palavras?


Não acredito que as pessoas choram por uma cena de cinema simplesmente por causa da cena.

Para mim, existe aí algum nível de identificação, entre você, suas experiências, e o que você vê.
O que lhe falta?
(como se pudesse ser completo)

Lição das Trevas: Culpa

- Eu não sei de onde vem mas, toda vez que eu penso naquele momento uma sombra gélida abraça meu coração. Não consigo me conformar com os fatos.
Não era para ser assim.
- Não era ou, você que não queria que fosse assim?
- Não me confronte novamente. Eu preciso de um pouco de paz. A dor que sinto me faz chorar.
- Você chora? Por quê?
- Se perdestes quem ama saberia.
- Só você ama?
Ele me fitou dos pés a cabeça. Sua rigidez me dava raiva e seu olho azul me seguia.

- Eu queria ter vivido com ela. Fui um fraco por não poder dizer, por não poder fazer. Como eu queria salva-la daquelas garras da escuridão. Hoje, apenas me resta uma lembrança encantadora.

Caí no chão com o soco que acabara de levar.

- Como sempre, uma criança arrogante. Você sofre porquê quer. Deposite todas as suas crenças no que acha que é o amor e veja no que se torna quando o perder. Cadê o restante do mundo, cadê seus amigos? Hoje, apenas lhe resta uma culpa violenta.

Ele esticou a mão para me levantar. Eu recusei.

Menos a Esperança



Sabe aqueles filmes que nos fazem chorar?
Nenhum deles é verdade.
Podemos ver em nossa realidade quão arrogantes somos.
Mesmo assim nós tentamos provar o contrário, provar que o amor verdadeiro existe,
Provar que em nossa vida, apesar de estarem muitos contra nós, o amor sempre vence!
Tentamos viver, como se a vida fosse uma fita K-7, na qual podemos rebobiná-la e voltar atrás,
Escrever um novo fim. Ou apagá-lo, para que nosso filme nunca termine.

Mas mesmo assim não estaríamos satisfeitos,
Pois somos seres em constante mudança, seja visual ou mental.
- O meu amor não é igual ao seu. -

Queremos viver em um conto de fadas,
Esperando que nos façam maravilhas por amor,
Mas não percebemos que assim, nos tornamos as bruxas más dessas histórias,
Criando brigas, por ciúmes, por desejos não atendidos!
Mesmo que muitas vezes a outra pessoa nem imagina o que queremos!

Enquanto isso, a vida se esvai,
Como o refrigerante pelo canudo.
E tudo acaba.

Menos a esperança.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Como Posso Ficar Sozinho?



As luzes piscam no céu adiante,
Mas eu nem me importo, eu estou com você.
A lua lá no alto me transmite um sono, uma calma imensa,
Mas eu não ligo, pois estou com você.
O tempo faz questão de passar mais rápido,
E eu tento o fazer parar, pois quero ficar com você.
As nuvens negras se formam no horizonte,
E eu amo ver a chuva cair enquanto estou contigo.
As palavras "eu te amo" gostam de sair de minha boca.
Entretanto, você não está aqui.
Mas eu nem me importo, pois cada pedaço de você mora no meu coração.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Acordes: Cap. 7 ( F#m )

Primeiros capítulos em Histórias.
____________________________________

" Aliás, muito prazer, eu me chamo Yeda "...

Nossa, eu nem sei como que beijei aquele garoto. No fundo eu sentia que havia algo que nos conectava, desde a noite anterior, quando o vi. Talvez eu tivesse sido muito atirada, mas não me importo com isso mais.
O restante daquele dia foi muito caloroso. A princípio continuamos tocando algumas músicas. Alguns acordes saiam errados, pois nossos olhos insistiam em se encontrar. O Edu me chamou para tocar na banda dele, mas me alertou:
- Tem um amigo meu que terminou o namoro há alguns dias, então ele está meio que "atirando para todos os lados". Espero que não se importe caso aconteça algo.
Houve uma pausa breve.
- A não ser que você queira ser minha namorada.
- Hum. - Pensei. Rápido de mais.
- E se você for um psicopata?
Ele soltou uma gargalhada.
- Se eu fosse um psicopata teria te levado comigo ontem a noite mesmo.
Espertinho.
- Então está certo, sr. Eduardo. Farei parte de sua banda.

O dia terminou. E com ele as minhas energias. Cheguei em casa sorridente, meu pai no sofá assistindo televisão.
- Qual o nome dele? - Ele pediu.
Fiquei pasma. Meu pai sempre me surpreendia.
Me aproximei do meu pai, ainda questionando como que ele fazia isso, como que ele me conhecia tão bem.
- O nome dele é Eduardo pai. Mas eu não estou namorando, a gente só conversou hoje, tocam...
- Tudo bem, amor. - Ele me interrompeu. - Eu só quero te avisar... Bom, eu te conheço né.
Eu já percebi.
- Sei que você tem uma personalidade forte. Sei que você vai fazer sempre o melhor.
- Obrigada pela confiança, pai.

Que saudades.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

A pérola Negra dos olhos e uma Máscara para a alma



Já repararam o quanto as pessoas gostam de usar os caríssimos óculos escuros, seja para se proteger do sol, ou tirar uma foto? 

Mas o que seria este comportamento? A mais simples vaidade, aprendida pelos desejos do consumismo, ou algo mais profundo ( que talvez seja de nível desconhecido até por eles mesmos)?

A impressão que tenho é que os óculos negros, também chamados de óculos de sol, acabam que escondem alguma coisa... Algo de muito importante para aquele que o usa. Afinal, querendo ou não, os óculos negros obscurecem sua personalidade, porque escondem os OLHOS. E são nos OLHOS que temos uma das principais formas de IDENTIFICAÇÃO humana.

Então seria isso? Eles escondem quem eu sou, como uma máscara de teatro, sem cor e sem expressão?

E você? Se sente protegido atrás deles?