Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Acordes: Cap.4

Aos leitores da história Acordes, gostaria de frisar que sim, eu estou escrevendo algo confuso. Mas podem confiar em mim, tudo será explicado.
Primeiras partes em Neurônio: Histórias .
_______________________________________

As últimas duas semanas passaram voando. Mesmo. Até que a Paula estava indo bem. E conforme ensaiávamos eu ia gostando do jeito dela. Estava mudada, disso eu tinha certeza.
Na época eu me repudiava por não ir atrás dela. Mas hoje, agora, analisando tudo que aconteceu vejo que fiz o que era certo. Obrigado, timidez.
Deixa eu explicar. Eu estava gostando dela, mas o Leo também estava, e isso, percebi, era uma forma que ele tinha encontrado para mascarar a dor que sentia por ter terminado o namoro.
E, - malditas mulheres com esse sexto sentido - ela percebeu.
O pior de tudo nesses fatos fatídicos é que o Leo não era tímido coisa nenhuma e acabou dando em cima da Paula.
E foi depois de várias tentativas falhas dele e de uma música melosa que nem me lembro o nome que ele disse:
- Essa foi pra você, vocalista linda!
- Ah cara, eu desisto! - Ela exclamou.
- Mas por que Paula? - Pedi, nervoso, não pelos meus sentimentos por ela, mas no momento a única coisa com a qual eu me importava era a tal da banda.
- Ou é ele ou eu!!
É claro que não deixamos nosso brother na mão. E a Paula, ás vezes vejo ela por aí... Depois do acontecido ela veio um dia falar comigo. Conversamos e a desculpei, porém nunca mais quis ver ela.
Faltava apenas uma semana e meia para o festival, e tecnicamente estávamos desqualificados.
Era uma noite chuvosa e fria, sem falar que era louca. Quer dizer, louco sou eu que saí tarde da noite andar ensopado, com as mãos nos bolsos, congeladas.
Lá longe eu vi. A representação de uma deusa vindo na minha direção.
Fiquei mais e mais animado conforme os nossos passos diminuiam a distância entre nós.
Narizinho perfeito. Que boca.
Metida. Passou e só uma olhadinha de canto me deu.
Enquanto eu, ainda tentava arrumar meu queixo caído...

Um comentário:

Fran disse...

A parte que eu mais gostei da história, provavelmente pq achei bem real os fatos e me fez rir *-*