Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

sábado, 27 de agosto de 2011

Raízes



Gostaria de te encontrar agora meu amor,
De enraizar meu coração no teu.
Gostaria, minha flor,
De deitar a cabeça na cama, olhar para o lado
E te ver.
De fazer com que você acordasse e visse com meus olhos, sentisse com meu coração,
Nem que fosse por um só dia,
Só para você conhecer cada calafrio,
Cada palpitação,
Que experimento quando vejo você.
Gostaria de dizer, além de tudo,
Te amo, e te quero.

sábado, 20 de agosto de 2011

Anseios



Ela esperava o metrô chegar na estação,
Com aquele All-Star surrado, todo rabiscado.
Um dos pés apoiados na parede, um dos fones de ouvido balançando conforme o vento.
Naqueles tênis duas palavras se destacavam: Liberdade e Amor.
Naqueles fones de ouvido, tocavam só músicas que influenciavam reflexões, que demonstravam direções a tomar.
E era pra isso que ela estava ali, pois estava cansada de ver coisas que ninguém mais via,
Estava cansada de levantar o tapete e ver toda sujeira escondida lá.
Não sabia para onde iria,
E se havia mesmo um lugar para ir.
Talvez ainda houvesse algum lugar na Terra onde o que importasse,
Fosse a Verdade.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Novos Dias



Tínhamos tantos planos,
E como num passe de mágica eles desapareceram.
Aos poucos,
Junto com várias lembranças que imaginei serem inesquecíveis...
E se eram tão importantes como fazia parecer, por que deixou ser assim?
Ás vezes enfrentamos consequências difíceis, e com elas tomamos caminhos sem pensar,
Que com o passar do tempo vemos que não eram nada de que torcíamos que fosse.
Mas por outro lado, esperamos que aquele outro alguém possa corrigir isto por você,
Erros que são nossos próprios.
Achamos também que tudo voltará ao normal, mas e agora?
Passou tanto tempo e nada mudou. Não era importante? Não desapareceu para mim, não que eu lembre de tudo, mas existem alguns momentos que jamais irei esquecer,
Assim como aqueles planos que continuo esperando se tornarem reais.
Eu só queria te ter,
Exatamente como antes.



Escrito por Francieli, revisado por nós.

sábado, 13 de agosto de 2011

Lua Amarela



- Olhe quem está aparecendo no céu! Disse o rapaz.
- O nosso amor? Perguntou a moça.
- Não meu anjo. O nosso amor já persiste em toda parte há tempos.
- Então o que é?
- A lua amarelada. Não um amarelo natural, mas um tom igual ao que vejo em seus olhos refletindo o brilho do sol.
- Assim eu fico com vergonha!
- Vergonha sente esta mesma lua que agora nos ilumina, por olhar no teu rosto e ver algo mais belo que si própria. E se algum dia a lua não existir, que um de seus olhos possam incandescer as nossas mais escuras trevas. Não percebe que sempre que choras, a chuva vem? Que sempre que você sorri, o meu mundo torna-se tão pequeno quanto sua boca e tão grande quanto seu coração?

Em silêncio ficou ela por um instante. Depois disse, somente,
sabiamente:
- Eu amo você.
E com estas palavras disse tudo e mais um pouco...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Sonata

Quem disse que é preciso ver pra crer?
Acreditar nada tem a ver com visão.
Quem não tem crenças e esperanças que jogue a primeira pedra no lago da estupidez.
Quem for a primeira pessoa a dar valor ao amor, 
Contemplada será com algo tão verdadeiro quanto seus sonhos mais profundos.
Viver nada mais é que uma ação livre. É preciso calcular cada atitude, cada passo que dou. 
Que mal tem, falar com sentimentos, chorar ao ler algo emocionante?
Nunca vi gelo que não começasse a derreter ao encontrar calor...
Já perdi muito tempo tentando ser perfeito, e agora serei perfeito com minhas próprias limitações.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Guardião



Por que és algo que me fascina tanto?
Fico madrugadas pensando.
Como fazes isso?
Cada vez que te escuto,
Um arrepio persegue meu corpo.
Já nos conhecemos de outras vidas?
Sempre que chorardes,
Estarei por perto para secar suas lágrimas.
Minha mão pairará sobre seu rosto e perguntarei:
"Por que choras? Não percebe a felicidade que sinto por poder te ver?"
"Por que choves? Lá fora o sol brilha com tanta intensidade!"
Lembrarás de mim.
Levantarás o rosto mas não me verás.
Posso estar longe de seus olhos mas sempre estarei perto do teu coração.

domingo, 7 de agosto de 2011

BR-2112



Eu também não sei o porquê
Mas eu ando só, com a cabeça vazia, olhando para as nuvens, porém não diretamente para elas.
Olho além, para a lua invisível, encoberta pela luz do dia.
Nem as buzinas dos carros ao meu redor me tiram desse estado de transe,
Entretando, seus olhos tirariam.
Para mim tanto faz se estou no meio da rua ou por sobre as águas,
Eu não tiro o foco do horizonte nem por um minuto sequer.
Talvez seja assim que devíamos levar a vida.
Se eu tropeçar, eu sei que não vou cair.
Não paro por nada, e quaisquer obstáculos que se oponharão à minha caminhada serão trespassados.
Não digo que os espinhos que me arranharão as pernas não me machucarão,
Mas com certeza essas dores serão mais fáceis de aguentar se eu tiver um objetivo em mente.
Você.

sábado, 6 de agosto de 2011

Olhos Fechados



Está anoitecendo.
Estou sentado aqui desde o nascer do sol.
A melhor coisa que vi até agora foi uma estrela brilhante cruzar o céu.
As pessoas passam, umas rápidas, outras sem sentido.
Ao longe avisto campos, árvores e um horizonte borrado e sem fim. Ar puro, cores de todas as formas e nuvens pintadas no teto azul.
Coisas simples, tão naturais e em tamanha extinção.
Preciso escrever, mostrar, ver e guardar. Talvez as próximas gerações não verão todas estas coisas, levando em conta que mesmo eu já perdi algumas.
O que é pior, nascer cego e nunca ter visto nada, ou ficar cego e sentir saudade das coisas?

Por ti



Em meu peito bate um coração disforme,
Estar longe de ti o faz vacilar.
Três sentimentos: tristeza, solidão e melancolia. Três coisas nas quais sempre tropeço quando não te vejo.
Eu seguro o sol em meus braços pra tentar te esquecer,
E o mundo gira lentamente me deixando tonto,
Tonturas que minhas lágrimas não farão passar.
Eu deveria começar a correr agora,
E talvez um dia,
Eu alcance você.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Acordes: Cap.4

Aos leitores da história Acordes, gostaria de frisar que sim, eu estou escrevendo algo confuso. Mas podem confiar em mim, tudo será explicado.
Primeiras partes em Neurônio: Histórias .
_______________________________________

As últimas duas semanas passaram voando. Mesmo. Até que a Paula estava indo bem. E conforme ensaiávamos eu ia gostando do jeito dela. Estava mudada, disso eu tinha certeza.
Na época eu me repudiava por não ir atrás dela. Mas hoje, agora, analisando tudo que aconteceu vejo que fiz o que era certo. Obrigado, timidez.
Deixa eu explicar. Eu estava gostando dela, mas o Leo também estava, e isso, percebi, era uma forma que ele tinha encontrado para mascarar a dor que sentia por ter terminado o namoro.
E, - malditas mulheres com esse sexto sentido - ela percebeu.
O pior de tudo nesses fatos fatídicos é que o Leo não era tímido coisa nenhuma e acabou dando em cima da Paula.
E foi depois de várias tentativas falhas dele e de uma música melosa que nem me lembro o nome que ele disse:
- Essa foi pra você, vocalista linda!
- Ah cara, eu desisto! - Ela exclamou.
- Mas por que Paula? - Pedi, nervoso, não pelos meus sentimentos por ela, mas no momento a única coisa com a qual eu me importava era a tal da banda.
- Ou é ele ou eu!!
É claro que não deixamos nosso brother na mão. E a Paula, ás vezes vejo ela por aí... Depois do acontecido ela veio um dia falar comigo. Conversamos e a desculpei, porém nunca mais quis ver ela.
Faltava apenas uma semana e meia para o festival, e tecnicamente estávamos desqualificados.
Era uma noite chuvosa e fria, sem falar que era louca. Quer dizer, louco sou eu que saí tarde da noite andar ensopado, com as mãos nos bolsos, congeladas.
Lá longe eu vi. A representação de uma deusa vindo na minha direção.
Fiquei mais e mais animado conforme os nossos passos diminuiam a distância entre nós.
Narizinho perfeito. Que boca.
Metida. Passou e só uma olhadinha de canto me deu.
Enquanto eu, ainda tentava arrumar meu queixo caído...