Neurônio da Semana

Se temos a possibilidade de tornar as pessoas mais felizes e serenas, devemos fazê-lo sempre. - Hermann Messe

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Anjo da Morte Pt. 2

Dizem também que quando vamos morrer todos os momentos pelo qual passamos vem à nossa mente. E era isso que Richard estava tendo no mesmo momento em que o ladrão dizia para ele ficar parado.

- Parado aí, Richard!
- Co - como sabe o meu nome?
- Como eu sei não é a pergunta certa, meu caro. Feche esta loja, pois iremos dar um pequeno passeio.

Richard não conseguia nem pôr a chave na fechadura de tão nervoso que estava. Sua cabeça girava. Estava com medo de perder sua vida, sua família, tudo. Fechou a loja e entrou no carro daquele que não parecia mais um assaltante normal.

Janie era uma garota de pouco mais de dez anos, loira, mais alta que o normal para sua idade. Era linda como a mãe, e mesmo criança aparentava ser uma pessoa mais velha, e sua mentalidade também era assim. Ela era criança, mas sofria. Sentia falta de seu pai, que trabalhava todos os dias, de segunda à domingo. Queria ver sua mãe feliz, já que ela sentia falta do marido tanto quanto ela. Só em seus sonhos ela podia materializar aquilo que ela mais desejava: A sua família unida e feliz.

Será a imaginação o refúgio dos homens?

Continua.

3 comentários:

Isie Fernandes disse...

De segunda a domingo... Realmente, ele só trabalhava.

Durante muito tempo, a imaginação foi o meu refúgio, mas enfim chegou o dia em que descobri que existe mesma vida real feliz. =)

Isie Fernandes disse...

*mesmo

Felipe disse...

Eu também, por mais que eu sempre queira estar mais de bem com a vida muitas vezes prefiro deixar que a minha imaginação me leve a algum lugar mais feliz, mais mágico.